16 de mai de 2016

Acrílicos sobre tela.

Duas pinturinhas de 10cm X 15cm que eu finalizei. 

Finalizar o que eu começo é o lema de 2016. Em parte, eu devo isso ao meu novo interesse pelo estilo de vida minimalista

No início queria "destralhar" as minhas coisas, doar o que eu não precisava, ter só o essencial, montar um armário-cápsula, não ser impulsiva com minhas compras, economizar e juntar grana, ser mais consciente e menos conivente com tudo o que está de errado (na minha opinião) na indústria da moda e do consumo. Tudo isso eu fiz e sigo sem manter esforço. 
Foi fácil começar. Depois levei essa necessidade de destralhe e desapego para outros setores da minha vida. Fui dando-me conta das idéias negativas que eu tinha sobre o meu trabalho, e sobre aquilo que eu "tenho que aturar" pra atingir meus objetivos. Foi um baque perceber o que já perdi por ingenuidade e falta de ação até agora. Será que eu tenho mesmo que depois de 10 anos nessa área, ter que "provar" o que eu sei fazer? Preciso MESMO disso? 
Percebi um monte de coisas que me travam de progredir como eu gostaria. Profissionalmente meu problema é começar muitas coisas e não concluir nada. Auto-boicote total! O minimalismo tem me ajudado nisso. 
Ainda tenho alguns problemas graves em manter o foco, por exemplo. Mas estou conseguindo aos poucos ir mudando.
Eu programei que no primeiro semestre eu daria um curso de aquarela... Fui lá e fiz. Criticaram, deram de ombros, disseram que não ia dar certo... E aí que está: quem são os outros pra dizer que tu não deves nem tentar??
Também programei que no primeiro semestre faria uma exposição em que o tema seria Igrejas. E na primeira oportunidade, com metade do trabalho pronto, me comprometi e fiz. Não importa quantas pessoas foram. Importa que eu fiz!
Outra coisa que não tem nada a ver com o minimalismo, mas eu tenho praticado desde que estava na Grécia, é ser discreta com meus projetos. Ninguém precisa saber o que eu quero fazer... E toda vez que eu abri a boca, fui roubada de alguma forma. P$#ra! As pessoas são muito cara de pau e querem levar o título de algo que elas NÃO criaram, a todo custo! Isso cansa!
Outra coisa que tem sido uma cachaça ultimamente: Bom... Não posso contar, né? uehueheuhe

Mas voltando. Esses quadrinhos há um tempo atrás iam ficar atirados, esperando pela minha boa vontade. Hoje eles estão concluídos. 


Detalhe de uma casa abandonada em São José do Norte.
Acrílico sobre tela, 10cm X 15cm.
2016. Disponível para aquisição.
Autora: Rosali Colares.


Barco em São José do Norte. 
Medidas: 10cm X 15 cm.
Acrílico sobre tela
2016
Rosali Colares




Um comentário:

Mateus Cena disse...

Rosali, já tentei aprender a usar acrílica mas não consegui até hoje. Não sei se é por causa da qualidade das tintas que eu comprei ou se é por falta de conhecimento mesmo.

Nem com óleo eu passei tanto aperto.

Parabéns! As pinturas ficaram lindas.

Abraços!