15 de ago de 2011

Corujinha - 1 ano.




Mês passado o Espaço Corujinha (minha coluna no caderno Agorinha do Jornal Agora), completou um ano de atividades.
Na verdade estou por mais tempo neste espaço: eu fazia ilustrações, mas por problemas de impressão que prejudicava meu trabalho, meu chefe editor pediu que eu abordasse outro assunto.
Foi então que sugeri escrever sobre a arte latino americana e brasileira numa linguagem bem simples, já que a linha editorial do caderno é infantil.
Eu ja tinha falado disso no ano passado, bem aqui.
A idéia foi aceita, e aí que comecei a fazer o Espaço Corujinha. A proposta era falar sobre arte latino americana, de maneira simplificada, devido a idade dos leitores e também a limitação de linhas que eu tenho.
Comecei falando sobre os incas, maias, astecas, e depois sobre todos os períodos possíveis da arte no Brasil, desde os índios brasileiros, passando pelo barroco até o modernismo. Passei também pelos primeiros fotografos e artistas gráficos em terras tupinicas. Foram publicados cerca de 55 artigos, e quero pela primeira vez contar minha experiência.
Escrever para um jornal que é lido por no mínimo, 200 mil pessoas, denota uma grande responsabilidade moral. E como eu sempre tive noção disso, esses mais de 13 meses de pesquisa e escrita para mim foram de muito questionamento e aprendizagem.
Aprendi muito com esta experiência, e acho que isso se tornou visível para os leitores.
Muitas vezes eu acordava de madrugada (por qualquer motivo) e as dúvidas me assaltavam “Será que eu estou me fazendo entender?” “Será que isso esta sendo importante, em algum momento, para alguém?”
“Apesar de muitos dias debruçada nos livros, será que as informações estão corretas?” “Será que minhas limitações de escrita são muito gritantes?”
Sim leitores, ninguém além de mim revisava a informação que ia ao Corujinha!
Ficava às vezes, pensando nos meus professores do curso de Artes Visuais. “Será que devem me achar uma grande cara de pau por fazer isto?!“
É, não foi nada fácil...
Mas logo desencanei, e vi que minha preocupação fazia sentido, e quem não se questionaria no meu lugar, provavelmente pouco respeito teria pelos leitores e pelo trabalho.
Diz a lenda que a autocrítica anda em falta nesses rincões, e sendo assim, estou ciente que fiz o melhor que pude e isso basta para mim, pois muitos reclamam e nada fazem!
Sei que dei minha pequena contribuição, e se ela foi aproveitada ou não, não me interessa pois estou tranquila.
Agora, a reclamação campeã de todas foi do meu nome que não aparecia direito nos artigos.
Azar, nunca dei bola pra isso, só queria que alguém lesse. Saber que era eu quem escrevia, sempre me foi artigo de segunda ordem. E não, não estou sendo simplória!
Espero fazer no futuro algo em relação a todos esses materiais que consegui, não vou abandonar minha idéia, mas este ciclo se fechou. Estou renovando minhas idéias. Quem sabe outras propostas surgirão?



6 comentários:

wawos disse...

Brava! Complimenti e auguri!

Ciao.

Lidiane Dutra disse...

Parabéns pelo espaço conquistado e pelo respeito tanto com os leitores, quanto com o teu próprio trabalho, pois exercer a auto-crítica é uma forma de enriquecer tuas experiências -- e isso falta muito não só por esses rincões...

Abraços! :-)

Rosali disse...

Obrigada lidiane e wawos! Complimenti e auguri para todos nós!
Abraços!

Rody Cáceres disse...

Que legal! Não sabia que o CORUJINHA era de tua autoria. No inicio do ano escrevi uns textos para o Agorinha, na columa DE REPENTE, PAI, sobre aquele garotinho dorminhoco que desenhastes, lembra? Abraços

Rosali disse...

uahaua, claro que lembro, eu soube que era ele por causa do cabelo cacheadinho!

Filosofia e Cinema disse...

Rosali, parabéns! E os pedidos estão no Facebook. :) bjs